Quarta-Feira, 26 de Novembro de 2014
Clube de vantagens
Cadastre-se no Clube de Vantagens
Galeria Vila das Mercês
Colégio Mercedário Vila das Mercês
Colégio Pedroso
Colégio Pedroso
Villas Boas - Distribuidora de água mineral
Sodiê Doces
Mix Gigante
Abrace Orto
Facebook
Twitter
Notícias | Entrevistas
Voltar
17/01/2013
Entrevista com a cantora Roberta Miranda
Por: Redação

Roberta Miranda, uma das maiores cantoras do sertanejo brasileiro, revela que sofreu com o machismo de sua época e que hoje se valoriza ainda mais como mulher.

 

Logradouros Jornal - Seu nome real é Maria Miranda. Por que mudou para Roberta?

Roberta Miranda - Sempre gostei do nome Roberta, e a música do Pepino Di Capri “Roberta” teve muita influência na mudança do meu nome artístico.

LJ - Imaginou que algum dia pudesse chegar à marca de 17 milhões de discos vendidos?
Roberta 
- Isso jamais passou pela minha cabeça. No primeiro disco precisava vender cinco mil unidades para poder gravar o segundo, e esse disco vendeu 1.500.000 cópias.

LJ - Você se considera o maior sucesso do sertanejo feminino no Brasil?
Roberta
 - Não preciso dizer, a história por si só já diz.

LJ - O que de mais louco algum fã seu já fez para poder pegar autógrafo ou tirar uma foto com você?
Roberta
 - Quando cheguei de um show em Manaus tinha um fã escondido dentro do armário do meu quarto de hotel. Já fizeram várias loucuras.

LJ - E o que aconteceu com esse fã?
Roberta 
– Eu me assustei muito, mas dei um autógrafo e um beijo nele. Depois eu pedi para que ele se retirasse do quarto.

LJ - O que você acha dessa nova geração de cantores sertanejos?
Roberta
 - Acho muito legal, eles têm uma linguagem diferente e divertida.

LJ - Hoje os temas de paixão, amor, deram lugar para bebida, sexo e carrões. Como agradar a juventude atual ao seu estilo?
Roberta
 - Tenho muitos fãs jovens. Eu sempre falarei de amor nas minhas canções e o jovem também é cheio de sentimentos, então é isso.

LJ - Em sua biografia você comenta que teve que lutar contra o machismo. Você sofreu preconceito?
Roberta
 - Havia muito preconceito por eu ser mulher e trilhar nesse mundo sertanejo, que na época era muito machista.

LJ - Isso tudo fez você se tornar uma mulher feminista?
Roberta
 - Não, isso tudo fez com que eu me valorizasse ainda mais como mulher.

LJ - Muito se comenta sobre sua sexualidade, você se importa com esse tipo de comentário?
Roberta
 - De maneira nenhuma, ninguém é o meu colchão. Tive uma educação muito rígida, minha família é de nordestinos e eu sou uma única filha no meio de três irmãos, e realmente o que interessa aos fãs é a minha arte e não a minha vida pessoal.

LJ – O cantor Sidney Magal, em entrevista ao Logradouros Jornal, disse que todos são bissexuais, referindo-se a cada um ter seu lado masculino e feminino. Você concorda? Seu lado masculino estaria onde nesse caso?
Roberta 
- O meu lado masculino está na força que toda mulher tem, que infelizmente falta para alguns homens.

LJ – Algumas mídias citam uma frase sua em que você diz que já se relacionou com um ET em um sonho. Isso é verdade?
Roberta 
– É verdade, sonhei que estava transando com um ET, e acordei apavorada, assustada. Foi um sonho diferente. (Risos)

LJ - Como está sua agenda para 2013? O que os fãs de São Paulo podem esperar de Roberta Miranda?
Roberta - Começo o meu ano dentro de um estúdio gravando o meu CD/DVD comemorativo de 25 anos de carreira. Depois volto à Argentina para concluir um CD de Tangos que comecei a gravar em 2012. Farei um grande show de lançamento em São Paulo e em todo o Brasil destetrabalho comemorativo.

Voltar